Sou Bill Gates, Steve Jobs, Larry Ellison !!

março 13, 2011

Recentemente o a Forbes divulgou a lista do pessoal mais rico do mundo, muita coisa não mudou. Gates continua sendo um dos mais ricos do mundo, Mark é o bilionário adolescente mais rico do mundo e por aí vai. E com tanto dinheiro assim, como esse pessoal gasta toda grana? Baseado em informações coletadas por outros sites, segue abaixo alguns exemplos:

Bill Gates, 55 anos, US$56 bilhões, Microsoft, 2º mais rico do mundo:

Vamos dizer que Bill é o mais “bomzinho” é o que faz mais doações para reduzir a pobrezado mundo. Já chegou a doar US$33,5 bilhões para sua própria fundação, Bill & Melinda Gates Foundation. Sendo o segundo mais rico do mundo, ele já tem tudo, tem mais é que ajudar o mundomesmo, 🙂

Larry Ellison, 66 anos, US$39,5 bilhões, fudador da Oracle, 5º mais rico do mundo:

Nada modesto ele é fan de coisas grandes, foi dono de um dos maiores iates do mundo! (Rising Sun) Custo de mais ou menos US$200 milhões. Além do mais gosta de patrocinar sozinho a corrida de Iates milionários do circuito BMW. Comprou 50% dos direitos do campeonato de tenis (BNP Paribas Open). Além de ser piloto profissional de avião, ele passa tempo voando baixo com seus carros super esportivos.

Larry Page, 37 anos, US$19,8 bilhões ,um dos fundadores do Google, 24º dos mais ricos do mundo:

Não é muito de esbanjar dinheiro, pois passa a maioria do tempo reenvestindo todo o dinheiro que ganha no próprio grupo. É um dos sócios da Tesla Motors, responsável por desenvolvimento de motores elétricos. E recentemente se presenteou com um brinquedinho de US$ 45 milhões, um iate de 193 pés que vem com jacuzzi, piscina, heliporto e tudo o que um iate megaluxuoso tem direito.

Segundo o site UOL: “Larry Page não quis economizar em seu casamento com a atriz Lucy Southworth (foto). A união aconteceu em uma ilha paradisíaca do caribe emprestada pelo proprietário e padrinho Richard Branson, dono do conglomerado Virgin Group. Os cerca de 600 convidados chegaram à ilha em um avião particular fornecido pelo noivo e ficaram hospedados em hotéis cuja diária chegava a US$ 46 mil por pessoa”.

Sergey Brin, 37 anos, US$ 19, 8 bilhões, um dos fundadores do Google, 24º dos mais ricos do mundo:

Não é muito de esbanjar dinheiro, em 2009 ele doou US$ 10 milhões para a empresa de sua mulher, 23andme, destinada a identificar DNA. Também é investidor de uma empresa de turismo espacial chamada Space Adventures. Além de estar envolvido em diversas empresas que desenvolve recursos de inteligência artificial e motores elétricos.

Jeff Bezos, 47 anos, US$ 19,1 bilhões, fundador da Amazon, 30º mais rico do mundo:

Brincando de criança mas com muito grana, ele tem o sonho de tornar o espaço acessível a todos, com isso mantém fortes investimentos em sua empresa de viagens espaciais Blue Origin. Com sua própria base de lançamento no Texas, junto da NASA eles trabalham em projetos para deixar acessível essas viagens.

Michael Dell, 46 anos, US$ 14,6 bilhões, dono e fundador da DELL computadores, 44º mais rico do mundo.

Diferente dos até então mostrados, Dell gosta de viver muito bem, mas muito vem mesmo. Há relatos que ele possui uma mansão no Texas, Austin. Tal mansão é considerada a “lenda”, não existem fotos oficiais para nos invejar, mas a coisa é tão grandiosa que as piscinas internas são conectadas com as externas que conectam com o lago Austin, sim um lago “private”. Além de ter fundado com sua mulher uma empresa para levantar fundos, sim, parecido com Bill e sua esposa.

Steve Ballmer, 54 anos, US$ 14,5 bilhões, fundador da Microsoft, 46º mais rico do mundo:

Pouco se sabe como ele gasta sua fortuna. E também não se sabe se está envolvido com projetos filantrópicos. Alguns jornais sugerem que Ballmer simplesmente ama basquete. Ele queria dar cerca de US$ 150 milhões para reformar a quadra (Key Arena) de um time de basquete, os Sonics de Seattle, tudo isso para eles não abandonarem a cidade. O Governo não deu sua parte, e o time se foi para o desgosto do “pobre” Ballmer. O milionário não faz segredo, seu desejo é um forte envolvimento com a NBA.

Mark Zuckerberg, 26 anos, US$ 13,5 bilhões, fundador do Facebook, 52º mais rico do mundo.

Aparentemente ele não gasta… não tem nem o que falar sobre ele… simplesmente usa seu chinelo adidas e roupas comuns a adolescentes americanos. E ainda por cima ele continua morando de aluguel, míseros 353 m², isso não é casa de milionário. Bom, ele afirmou que doaria metade de sua fortuna para caridade, até agora nada.

Steve Jobs, 56 anos, US$8,3 bilhões, fundador da Apple Computers, 110º mais rico do mundo:

Steve Jobs é o mais pão duro dos CEOs. Ele jura que faz doações de sua fortuna de forma anônima, mas, como ninguém consegue comprovar, ele é costumeiramente criticado por sua alma nada caridosa. Aliás, quando Jobs reassumiu o comando da Apple em 1997, uma de suas políticas para cortar gastos foi eliminar com toda a atividade filantrópica da empresa. A premissa era restabelecer assim que o lucro batesse à porta novamente, mas mesmo após o faturamento exorbitante da companhia, nem um centavo foi doado novamente. Na vida pessoal, o mesmo acontece. Jobs tem uma luxuosa mansão em Palo Alto, Califórnia, mas nada muito suntuoso. As informações são da ”Wired”, ”Fortune” e ”Bloomberg”. Além do mais, sabemos que ele não gasta com moda, afinal suas roupas se resumem a camiseta preta, calça jeans e tênis.

Eric Schmidt, 55 anos, US$ 13 bilhões, foi presidente do Google, 136º mais rico do mundo

Ele tem seu próprio fundo de investimentos, Tomorrow Ventures, que financia empresas iniciantes no ramo tecnológico. Também tem uma fundação filantrópica, Eric Schmidt Family Foundation. Tem paixão por aviões e claro além de ter o seu próprio ele também o pilota.


Anúncios

Google estreia banco de dados

junho 13, 2009

Agora a gigante de buscas lançou o banco de dados hospedados na nuvem, podendo desafiar Oracle, IBM e Microsoft. O Google anunciou no seu blog de pesquisas um banco de dados chamado Fusion Tables, tendo como bandeira principal a facilidade de uso.

“O Fusion Tables não é um sistema de banco de dados tradicional focado em queries complicadas de SQL e processamento de transações”, define o post sobre o novo produto. A proposta da ferramenta é fundir a gestão de dados com a colaboração, unir múltiplas fontes de dados e discussões sobre eles, consultas, visualização e publicação na web.

Na versão apresentada esta semana, é possível fazer o upload de grupos de dados (por enquanto o limite é de 100MB por conjunto de dados e 250MB por usuário). É possível abrir todos os dados para colaboração ou manter parte fechada, além de selecionar níveis de compartilhamento com diferentes usuários.

Por enquanto a ferramenta está em fase inicial de testes, mas se o Google entrar com força no segmento poderá desafiar mais um vez gigantes como IBM, Microsoft e Oracle, desta vez em uma nova frente de negócios.


Após perder Sun para Oracle, IBM anuncia queda de 11% na receita do 1º tri

abril 22, 2009

No mesmo dia em que a rival Oracle comprou a Sun, com quem tinha negociações para uma aquisição, a IBM anunciou que sua receita no primeiro trimestre de 2009 caiu 11% em comparação ao mesmo período de 2008.

A receita total da IBM para o trimestre foi de 21,7 bilhões de dólares, abaixo dos 22,5 bilhões de dólares estimados pela consultoria Thomson Reuters, o que significa que os resultados foram piores que o esperado.

Os ganhos por ações, no entanto, foram de 1,7 dólar, aumento de 4% em relação à cifra de 2008, batendo a expectativa dos analistas, que esperavam 1,66 dólar por papel. O lucro da companhia caiu 1% e atingiu 2,3 bilhões de dólares.

Nesta segunda-feira (20/04), a Oracle anunciou que compraria a Sun. O acordo acontece semanas após rumores de que a IBM fez uma oferta pela companhia, negada pela Sun por ser muito baixa.

Ao fechar a compra, a Oracle se torna rival direta da IBM no setor de hardware, já que a companhia agora oferecerá não apenas aplicativos, mas também servidores.

O balanço também mostra que a IBM está patinando em razão da crise financeira. A divisão do segmento Global Technology Services diminuiu 10% comparado ao primeiro trimestre de 2008, indo a 8,8 bilhões de dólares, enquanto o segmento Global Business Services sofreu queda idêntica e faturou 4,4 bilhões de dólares.

As receitas das divisões de software caíram 6% para 4,5 bilhões de dólares, assim como o faturamento vindo de produtos middleware, que incluem WebSphere, Tivoli e Lotus: 3,6 bilhões de dólares, o que representa queda de 5%.

A companhia não mexeu na sua estimativa de atingir preço de 9,20 dólares por ação até o final do ano e afirmou que está adiantada no seu plano de fazer com que cada papel custe entre 10 dólares e 11 dólares até 2010.


Oracle pode cortar até 10 mil empregos após compra da Sun

abril 22, 2009

Tony Sacconagui, um dos principais analistas do Sanford C. Bernstein & Co., afirmou que a Oracle pode eliminar 10 mil pessoas após a incorporação da Sun Microsystems, comprada por 7,4 bilhões de dólares.

A análise foi elaborada após anúncio de Safra Catz, presidente da Oracle, que afirmou que a companhia espera que a Sun contribua com lucros de 1,5 bilhões de dólares no primeiro ano após a negociação e com 2 bilhões no ano seguinte, fazendo com que a transação represente uma colaboração maior no valor por ação do que a soma obtida com as aquisições da BEA, Peoplesoft e Siebel.

Segundo Sacconagui, essa lucratividade virá por meio de demissões. “Para ter esse montante do lucro, a Oracle precisaria demitir entre 5,5 e 10 mil funcionários via reestruturação”, afirmou em relatório liberado pouco depois do anúncio da negociação”.

A firma de análise de mercado Technology Business Research (TBR) concordou que as demissões são iminentes, prevendo que os departamentos mais afetados serão os de vendas e marketing. Segundo relatório da empresa, a Oracle irá racionalizar rapidamente a base de custos da Sun, o que significa cortar postos de trabalho.

Segundo a TBR, alguns empregos devem mudar de país na medida em que a Oracle reorganiza os serviços e o suporte da Sun para ficar compatível com seu próprio modelo global.

Antes do anúncio, a Sun já estava no meio de um processo de reestruturação, que previa o corte de 15 a 18% de sua força de trabalho, ou cerca de 6 mil empregados.


Oracle compra Sun por US$ 7,4 bilhões

abril 22, 2009

A Oracle comprou a Sun Microsystems por 7,4 bilhões de dólares, impulsionando a desenvolvedora de softwares corporativos no setor de hardware e fazendo com que a Sun seja a mais recente operação de TI englobada pela empresa comandada por Larry Ellison.

A Oracle pagará 9,5 dólares por ação em dinheiro para a Sun, de acordo com a Oracle. A oficialização segue outras compras feitas pela Oracle no setor de tecnologia nos últimos anos, como Siebel, PeopleSoft e BEA Systems.

O acordo é anunciado após a Sun supostamente ter se afastado de uma negociação com a IBM há algumas semanas.

Ainda que houvesse boatos sobre uma possível aquisição por parte da Oracle, a empresa nunca tinha tido uma participação efetiva nos setores de sistema operacional para servidores ou hardware.

A Oracle afirmou que o acordo com a Sun deve trazer mais receita à companhia no primeiro ano após a compra do que as aquisições da BEA Systems, PeopleSoft e Siebel juntas.

A Sun deverá contribuir com 1,5 bilhão de dólares ao lucro operacional da Oracle no primeiro ano após a fusão, número que deverá ultrapassar a marca dos 2 bilhões de dólares no segundo ano, anunciou a Oracle.